Que tal fazer algo diferente?

16 01 2012

Muitas pessoas começam e terminam o ano, sempre do mesmo jeito, com os mesmos problemas no ano que termina e os mesmos propósitos para o ano que começa. A história de sua vida se repete e acaba não saindo do lugar. O que fazer?

Neste post anterior “Passear pelas estantes” pode te dar uma nova luz.

Marlus M. Marconcin
Coach de saúde

Anúncios




Uma lição de vida diante da morte

9 10 2011

Nem sempre as grandes mudanças foram frutos do aprendizado vindo de inúmeros títulos acadêmicos. O sucesso na vida é fruto colhido com o aprendizado obtido após inúmeros fracassos, fracassos que fazem a gente “Pensar Diferente”.

Essa é a lição de vida que Steve Jobs compartilhou num discurso de colação de Grau em Stanford, 2005

“A única coisa que te faz seguir adiante é amar o que você faz. Você tem que encontrar aquilo que você ama. O único jeito de ficar verdadeiramente satisfeito é fazer o que você acredita ser um excelente trabalho e um excelente trabalho só nasce do amor pelo que você faz.

Seu tempo é limitado então não desperdice-o vivendo a vida dos outros.

Não deixe o barulho de vozes alheias silenciarem a sua voz interior. E o mais importante: tenha coragem de seguir seu coração e intuição, de alguma maneira, eles já sabem o que você quer se tornar. Todo o resto é secundário.” Steve Jobs






Um pouco da minha história – “Conversa com SuKardosh”

29 08 2011

Nesta entrevista você pode conhecer um pouco da minha história como Coach de Saúde e como isso modificou positivamente a minha vida.

É uma prévia da Palestra – “A Saúde na Visão de um Coach” – que será realizada em setembro de 2011.

 

 

 





“As 7 Perguntas da Plenitude”

10 08 2011

Chamamos o processo de coaching como a “Arte de fazer perguntas”. Por que razão as perguntas são importantes? O que acontece quando existe o questionamento inteligente?

Gostaria que você analisasse junto comigo um aspecto importante no desenvolvimento do conhecimento humano. Hoje temos soluções para os principais desafios da vida. Você parou para pensar em como estas soluções surgiram? O que fez com que gênios da física, química, medicina realizassem suas descobertas?

Muito simples. Eles souberam, em primeiro lugar, fazer perguntas inteligentes e desafiadoras. Santos Dumont talvez se perguntou: “O que eu poderei fazer para voar como um pássaro?” Gran Bell pode ter se perguntado: “Gostaria de me comunicar de forma rápida e clara com alguém muito distante. Como isso pode se tornar realidade? Tomas Edson talvez se questionou: “Esta vela não ilumina o suficiente para eu ler à noite. Como eu poderia reproduzir a luz do dia, dentro de minha casa e poder ler confortavelmente à noite?”

Uma resposta inteligente e desafiadora sempre vem de uma pergunta inteligente e desafiadora. São as perguntas que transformam o mundo e o ser humano. Uma vida de superação é resultado das perguntas que motivaram esta superação.

Os maiores sábios da humanidade respondiam às perguntas de seus discípulos com outra pergunta. A história de Jesus está repleta de exemplos assim.

Nosso cérebro sempre irá responder de alguma maneira uma pergunta. Não importa se ele saiba ou não a resposta correta. Porém antes de concluir que a resposta não existe a mente vai sempre fazer a busca por ela. Funciona da seguinte maneira: Uma pergunta estimula o nosso pensamento, que por sua vez é um gatilho para uma emoção, a emoção produz uma ação e a ação promove um resultado.

Então um resultado, a solução de um desafio, sempre vem como resposta a uma pergunta.

Vou deixar com você uma sugestão interessante e eficaz para ajudar a resolver qualquer coisa em sua vida. Eu chamo de as “As 7 Perguntas da Plenitude”. Gosto do número 7, é o número que representa a plenitude. Por isso são somente 7 perguntas poderosas que trarão 7 respostas poderosas.

1. Qual é o real desafio que eu superar neste momento?

Esta pergunta é importante para você se localizar. Algumas vezes as pessoas nem sabem o que resolver e se perdem na busca de soluções. É muito importante definir em primeiro lugar onde você está.

2. Que resultado eu quero obter?

Após definir onde você está é bom que você estabeleça onde quer chegar. Um caminho, uma rota é estabelecida quando temos esses dois pontos bem claros.

3. O que eu irei ganhar quando resolver este desafio?

Busque sempre uma motivação positiva para chegar a um resultado. Isso irá estimular o seu empenho nas ações.

4. O que eu irei perder quando resolver este desafio?

É importante verificar os riscos, e se existem aspectos negativos envolvidos, quais serão os efeitos colaterais. Se identificados procure encontrar uma maneira de minimizar as perdas.

5. Quem esteve numa situação semelhante e o que ele fez?

Antes de quebrar a cabeça e perder tempo na busca de uma solução. Pesquise se já não existe algo pronto e eficiente. A grande maioria dos desafios ou já foram resolvidos ou uma parte da solução já está descoberta.

6. O que este problema me impede de alcançar, fazer ou conquistar?

Esta é uma pergunta muito interessante, ela expande os limites e minimiza o problema. Aqui você descobre o real motivo deste desafio existir em sua vida..

7. E agora, o que eu irei fazer efetivamente para conquistar meu objetivo?

Finalmente você tem condições de colocar nas suas mãos a responsabilidade para solucionar o desafio. A solução irá acontecer se você fizer algo para isso. Aqui você foca na ação.

Simples, não é? Vamos ver um exemplo?

Digamos que você está com dor no peito e falta de ar, é fumante e seu cardiologista diagnosticou um risco cardíaco e recomendou a você libertar-se deste hábito.

1. Qual é o real desafio que eu superar neste momento?

Posso desenvolver uma doença cardíaca e o tabagismo irá agravar ainda mais esta condição e colocar em risco a minha vida.

2. Que resultado eu quero obter?

Me libertar do cigarro e viver de maneira tranqüila e saudável.

3. O que eu irei ganhar quando resolver este desafio?

Disposição e energia para fazer exercícios, as pessoas irão gostar de ficar mais tempo comigo pois o cheiro do cigarro não estará presente, irei poder sentir o real sabor dos alimentos, irei dormir melhor.

4. O que eu irei perder quando resolver este desafio?

O cigarro me proporciona prazer, porém este prazer será substituído por outros prazeres e sensações que o cigarro me impede de alcançar.

5. Quem esteve numa situação semelhante e o que ele fez?

Tenho um amigo que conseguiu. Ele tomou a decisão de maneira firme e buscou ajuda profissional de um Coach de Saúde para dar apoio e orientação.

6. O que este problema me impede de alcançar, fazer ou conquistar?

O cigarro me impede de viver a vida de maneira plena. Se eu continuar este hábito irá me impedir de viver. *Obs: Então qual o real motivo para o desafio existir? Neste caso é viver. Nada é mais importante que a vida

7. E agora, o que eu irei fazer efetivamente para conquistar meu objetivo?

Primeiro irei jogar fora todas as carteiras de cigarro que possuo e irei marcar imediatamente uma sessão com um profissional para me ajudar.

Estas perguntas podem ajudá-lo a encontrar a solução e conquistar resultados em qualquer área da vida. Experimente.

Lembre sempre o seguinte:

“Se você ainda não alcançou o resultado que você deseja para sua vida é porque você ainda não fez a pergunta certa.”

Marlus M. Marconcin – Coach de Saúde
All rights reserved ©





O Ponto Negro

20 07 2011

Quando observo pessoas de sucesso, pessoas felizes com o que fazem, satisfeitas com o que tem e o que acham que são, percebo uma constante, sua atitude positiva frente as situações da vida.

Recebi esta semana num email uma mensagem que gostaria de compartilhar com você.

O Ponto Negro

Autor desconhecido

Certo dia, um professor chegou na sala de aula e disse aos alunos para se prepararem para uma prova-relâmpago.
Todos acertaram suas filas, aguardando assustados o teste que viria.
O professor foi entregando, então, a folha da prova com a parte do texto virada para baixo, como era de costume.
Depois que todos receberam, pediu que desvirassem a folha.
Para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto, apenas um ponto negro, no meio da folha.
O professor, analisando a expressão de surpresa que todos faziam, disse o seguinte:

– Agora, vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.

Todos os alunos, confusos, começaram, então, a difícil e inexplicável tarefa.
Terminado o tempo, o mestre recolheu as folhas, colocou-se na frente da turma e começou a ler as redações em voz alta.
Todas, sem exceção, definiram o ponto negro, tentando dar explicações por sua presença no centro da folha.
Terminada a leitura, a sala em silêncio, o professor então começou a explicar:

– Esse teste não será para nota, apenas serve de lição para todos nós. Ninguém na sala falou sobre a folha em branco.

Todos centralizaram suas atenções no ponto negro. Assim acontece em nossas vida. Temos uma folha em branco inteira para observar e aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros. A vida é um presente da natureza dado a cada um de nós, com extremo carinho e cuidado. 
Temos motivos para comemorar sempre. A natureza que se renova, os amigos que se fazem presentes, o emprego que nos dá o sustento, os milagres que diariamente presenciamos. No entanto, insistimos em olhar apenas para o ponto negro!

O problema de saúde que nos preocupa, a falta de dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, a decepção com um amigo.

Os pontos negros são mínimos em comparação com tudo aquilo que temos diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.
Pense nisso!
Tire os olhos dos pontos negros de sua vida.
Aproveite cada situação da vida cada momento a natureza lhe dá como um aprendizado precioso.
“Creia que o choro pode durar a noite toda, mas a alegria logo vem no amanhecer.” Salm 30 – 5


Tenha essa certeza, tranqüilize-se e …. SEJA FELIZ.

 

Marlus M. Marconcin – Coach de Saúde
All rights reserved ©





Saindo da Zona de Conforto

12 05 2011

Vida profissional e saúde. Existe uma ligação entre estes dois contextos na vida de qualquer pessoa? O que fazer para evitar que uma perspectiva profissional negativa prejudique nossa vida como um todo?

Quando eu comecei minha carreira, no  início da década de 90, a medicina ainda era uma profissão almejada e segura. Naquela época, um recém formado fazia plantões noturnos e encontrava um emprego público para manter um ganho basal inicial, o tempo restante investia em seu consultório particular, local onde poderia desenvolver sua especialidade com dignidade e com tranquilidade. Com o passar do tempo a defasagem no valor das consultas obrigaram aos médicos a aumentar sua carga horária em plantões, não para ser um suporte no crescimento de sua carreira, mas por questão de sobrevivência. Os consultórios particulares começaram a esvaziar, as pessoas passaram a buscar o médico como uma espécie de ‘bombeiro’ para apagar os incêndios na sua saúde, deixando as consultas preventivas num segundo ou até terceiro plano. Como pediatra e com uma formação que sempre salientou a prevenção e a promoção da saúde, não estava muito feliz naquele momento e o futuro parecia um pouco nebuloso. Outra razão de tal escuridão foi também que eu vi colegas ao meu redor, muitos com vários anos de experiência a mais que eu, com curriculuns impecáveis, alguns até com título de mestrado, se sujeitando a trabalhar em serviços sem condições dignas de trabalho, desvalorizados e mau remunerados. O desânimo e a falta de perspectiva no futuro me levaram a uma obesidade mórbida que resultou numa obstrução de coronária que quase me matou.

A partir de um momento conclui: ’’A medicina não será a mesma que antes, é importante eu mesmo fazer algo e parar de esperar soluções da classe, de entidades. Eu sou o regente da minha vida’’.

Quando tais coisas acontecem, é sempre uma oportunidade para analisar sua formação e compreender a forma como exerce a sua profissão.

Ao pensar sobre esta mudança particular no mundo do trabalho, conclui que, para que eu pudesse conquistar uma tranqüilidade profissional, seria importante tomar as rédeas de minha vida  e não deixar que outros definissem as condições de meu trabalho. O mais importante numa carreira é ter a certeza que você poderá evoluir, ter a certeza da possibilidade de expandir suas habilidades, conhecimentos e consequentemente remuneração.

O problema é que evolução significa sair da “Zona de Conforto”.

O conforto é algo agradável quando as coisas estão indo bem. Mas a questão é: quanto tempo vai ficar assim? Num mundo em rápida evolução a sensação de conforto pode ser um perigo. Habilidades, capacidades e experiência são a garantia de sucesso na busca de oportunidades de trabalho. Mas as habilidades e capacidades não são coisas estáticas, mas dinâmicas. Num mundo em rápida evolução, é saudável que suas habilidades e competências mudem e de evoluam.  A aquisição de novas competências e desenvolvimento de novos talentos é um bem e uma necessidade.

É importante verificar de tempos em tempos, tanto na sua vida profissional como pessoal, onde você está, onde você estava e onde você quer chegar. Quando você vê que as coisas não mudam muito e que você ainda está no mesmo lugar, na mesma função, com a mesma remuneração, não enxergando nenhuma evolução no seu trabalho, provavelmente é hora de considerar partir para outro desafio.

Não faça isso apenas em sua vida profissional, mas também na sua vida pessoal, tenha hobbies, estabeleça metas para eles e persevere, a fim de alcançar seu objetivo. Em outras palavras, saia da zona de conforto e se aventure na zona de desconforto.

É interessante que este movimento para a zona de desconforto seja um processo contínuo. No início da minha carreira, eu pensava numa carreira de pediatra indo de casa para o hospital, do hospital para o consultório. Uma vida com poucos desafios. A água do meu aquário começou a ficar estagnada e a falsa estabilidade quase me matou. Hoje, como Coach de Saúde, não consigo me imaginar nesta vida estática. Busco novos desafios em todas as áreas da vida.

A minha experiência me fez chegar a algumas conclusões. Em cada evento negativo, você sempre pode aprender algo e encontrar oportunidades. É uma característica de um espírito empreendedor, é importante que você seja o empresário de sua própria vida. Mover-se para a zona de desconforto lhe dará outra oportunidade, irá contribuir para o seu auto-desenvolvimento e fortalecer o sua auto-estima. Mover-se para a sua zona de desconforto é apenas uma questão de hábito. Algo que percebi também é que quando encontramos uma estratégia eficiente num contexto de vida esta estratégia se distribui para os outros contextos incorporando em nós como um “modus operandi” generalizado.

Com isso, você vai sentir que a zona de desconforto não é tão desconfortável, muito pelo contrário é maravilhosa e nela encontramos as ferramentas que podem salvar a sua carreira e a sua vida, como salvou a minha.

Marlus M. Marconcin – Coach de Saúde
All rights reserved ©





Porque consultar um Coach de Saúde?

2 12 2010

Uma vida sem objetivo, hábitos alimentares inadequados, desperdício de energia, de tempo e recursos, saúde com sérios problemas, instabilidade emocional. É assim que as pessoas constroem suas vidas; de maneira semelhante, nesse empirismo, os países cuidam da lavoura, da indústria e o próprio governo. Resultado, pessoas insatisfeitas com sua saúde e com sua vida. Vivem de forma limitada e desmotivada.

Como esta realidade pode ser transformada? Como suprir às necessidades das pessoas que sonham com a qualidade de vida?

Seria uma utopia imaginar um quadro assim? Pessoas felizes, realizadas, praticando esporte, tendo atividades de lazer com prazer, trabalhando com motivação. Isso tudo como resultado de adotar estratégias simples e acessíveis de hábitos saudáveis, orientado por um profissional comprometido e atento às necessidades individuais de cada um.

Planejamento, um item altamente valorizado em qualquer situação da vida. As pessoas comumente se importam pouco com o planejamento de suas vidas, principalmente quando se trata de saúde. Buscam informações em revistas populares, notícias na TV, artigos na Internet e, o que é mais comum, opinião de pessoas leigas totalmente despreparadas e desinformadas. A grande maioria busca uma informação profissional somente quando a “casa está caindo”. Tomam assim atitudes infundadas e muitas vezes arriscadas, sempre com a desculpa da “falta de recursos”. A verdade é que manter alguns hábitos saudáveis, ter uma alimentação adequada, balanceada e eficientemente nutritiva, juntamente com uma orientação profissional personalizada tem um custo, que varia conforme a pessoa, porém quando os cálculos são feitos este custo passa a ter outro nome, “Economia”. Questionando qualquer pessoa com alguma experiência de vida teremos uma resposta unânime: sempre acontece algo inesperado e imprevisto, quando se fala de saúde, cujo custo para o reparo pode ser alto, permanente e algumas vezes até irreversível.

O planejamento da saúde é possível. O Coach de Saúde é um profissional que, além da formação médica, garante um conhecimento profundo a atualizado sobre o assunto, é treinado e capacitado a perceber a situação de saúde do cliente de uma maneira abrangente e sistêmica. Ele observa o modo de vida dos clientes, suas aspirações, suas necessidades e por fim propõe uma solução que atenda as suas exigências.

Para desenvolvimento do planejamento da saúde não há regras, mas sim uma adequação das necessidades de cada pessoa considerando os aspectos contextuais da vida de cada um.

Então, quando é contabilizado o todo, a contratação de um coach de saúde minimiza os custos de uma maneira global, a curto e longo prazo e, o que é mais importante, proporcionar aos cliente a satisfação duradoura de viver em uma vida plena na “sua” medida.

Uma sociedade justa e equilibrada é construída e não um resultado do acaso ou da sorte de atitudes “empíricas”. Quando as pessoas conseguem conquistar uma vida com qualidade real, elas também despertam em si a importância do planejamento global de suas vidas profissionais, financeira, psicológica, social, familiar, etc. Em todos esses casos existem profissionais capacitados e capazes de dar orientações adequadas a cada caso. Algo pode ser feito para uma melhoria da qualidade de vida de nosso país e nosso planeta como um todo, por que não começar melhorando a qualidade de vida de cada indivíduo particularmente?

O que fazer? Consulte um coach de saúde.