Saindo da Zona de Conforto

12 05 2011

Vida profissional e saúde. Existe uma ligação entre estes dois contextos na vida de qualquer pessoa? O que fazer para evitar que uma perspectiva profissional negativa prejudique nossa vida como um todo?

Quando eu comecei minha carreira, no  início da década de 90, a medicina ainda era uma profissão almejada e segura. Naquela época, um recém formado fazia plantões noturnos e encontrava um emprego público para manter um ganho basal inicial, o tempo restante investia em seu consultório particular, local onde poderia desenvolver sua especialidade com dignidade e com tranquilidade. Com o passar do tempo a defasagem no valor das consultas obrigaram aos médicos a aumentar sua carga horária em plantões, não para ser um suporte no crescimento de sua carreira, mas por questão de sobrevivência. Os consultórios particulares começaram a esvaziar, as pessoas passaram a buscar o médico como uma espécie de ‘bombeiro’ para apagar os incêndios na sua saúde, deixando as consultas preventivas num segundo ou até terceiro plano. Como pediatra e com uma formação que sempre salientou a prevenção e a promoção da saúde, não estava muito feliz naquele momento e o futuro parecia um pouco nebuloso. Outra razão de tal escuridão foi também que eu vi colegas ao meu redor, muitos com vários anos de experiência a mais que eu, com curriculuns impecáveis, alguns até com título de mestrado, se sujeitando a trabalhar em serviços sem condições dignas de trabalho, desvalorizados e mau remunerados. O desânimo e a falta de perspectiva no futuro me levaram a uma obesidade mórbida que resultou numa obstrução de coronária que quase me matou.

A partir de um momento conclui: ’’A medicina não será a mesma que antes, é importante eu mesmo fazer algo e parar de esperar soluções da classe, de entidades. Eu sou o regente da minha vida’’.

Quando tais coisas acontecem, é sempre uma oportunidade para analisar sua formação e compreender a forma como exerce a sua profissão.

Ao pensar sobre esta mudança particular no mundo do trabalho, conclui que, para que eu pudesse conquistar uma tranqüilidade profissional, seria importante tomar as rédeas de minha vida  e não deixar que outros definissem as condições de meu trabalho. O mais importante numa carreira é ter a certeza que você poderá evoluir, ter a certeza da possibilidade de expandir suas habilidades, conhecimentos e consequentemente remuneração.

O problema é que evolução significa sair da “Zona de Conforto”.

O conforto é algo agradável quando as coisas estão indo bem. Mas a questão é: quanto tempo vai ficar assim? Num mundo em rápida evolução a sensação de conforto pode ser um perigo. Habilidades, capacidades e experiência são a garantia de sucesso na busca de oportunidades de trabalho. Mas as habilidades e capacidades não são coisas estáticas, mas dinâmicas. Num mundo em rápida evolução, é saudável que suas habilidades e competências mudem e de evoluam.  A aquisição de novas competências e desenvolvimento de novos talentos é um bem e uma necessidade.

É importante verificar de tempos em tempos, tanto na sua vida profissional como pessoal, onde você está, onde você estava e onde você quer chegar. Quando você vê que as coisas não mudam muito e que você ainda está no mesmo lugar, na mesma função, com a mesma remuneração, não enxergando nenhuma evolução no seu trabalho, provavelmente é hora de considerar partir para outro desafio.

Não faça isso apenas em sua vida profissional, mas também na sua vida pessoal, tenha hobbies, estabeleça metas para eles e persevere, a fim de alcançar seu objetivo. Em outras palavras, saia da zona de conforto e se aventure na zona de desconforto.

É interessante que este movimento para a zona de desconforto seja um processo contínuo. No início da minha carreira, eu pensava numa carreira de pediatra indo de casa para o hospital, do hospital para o consultório. Uma vida com poucos desafios. A água do meu aquário começou a ficar estagnada e a falsa estabilidade quase me matou. Hoje, como Coach de Saúde, não consigo me imaginar nesta vida estática. Busco novos desafios em todas as áreas da vida.

A minha experiência me fez chegar a algumas conclusões. Em cada evento negativo, você sempre pode aprender algo e encontrar oportunidades. É uma característica de um espírito empreendedor, é importante que você seja o empresário de sua própria vida. Mover-se para a zona de desconforto lhe dará outra oportunidade, irá contribuir para o seu auto-desenvolvimento e fortalecer o sua auto-estima. Mover-se para a sua zona de desconforto é apenas uma questão de hábito. Algo que percebi também é que quando encontramos uma estratégia eficiente num contexto de vida esta estratégia se distribui para os outros contextos incorporando em nós como um “modus operandi” generalizado.

Com isso, você vai sentir que a zona de desconforto não é tão desconfortável, muito pelo contrário é maravilhosa e nela encontramos as ferramentas que podem salvar a sua carreira e a sua vida, como salvou a minha.

Marlus M. Marconcin – Coach de Saúde
All rights reserved ©

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: