Programas de Prevenção em Saúde – Erros comuns

27 04 2011

É um consenso geral que uma empresa que possui um Programa de Prevenção em Saúde tomou uma boa decisão de negócios. Este programa, não só pode ajudar seus funcionários a conquistarem uma vida saudável, como também ele pode economizar verdadeiras fortunas. Acontece que muitas empresas estão encontrando dificuldades para ter um programa interno de prevenção bem sucedido. Aqui estão algumas razões que os Programas de Prevenção em Saúde estão aquém das expectativas:

1. Falta de recursos. Financiamento adequado, o acesso aos recursos internos e de pessoal são importantíssimos para ajudar ao programa ter sucesso.

  • Financiamento – Os programas de prevenção de sucesso requerem um investimento em tempo, dinheiro, bem como dos recursos internos da empresa. Empresas acreditam neste investimento tem um retorno excepcional, após apenas dois a quatro anos. Estatísticas afirmam que há um ganho de 100 dólares para cada Dolar investido em prevenção.
  • Suporte  – Os funcionários precisam de orientação para compreender às exigências e o conteúdo do programa preventivo. Os funcionários podem não ter as habilidades e conhecimentos necessários para implementar, comunicar e gerenciar o programa no seu dia-a-dia. Uma estratégia de suporte de informações realizado por um especialista em prevenção, seja ele um diretor, gerente, médico do trabalho, psicólogo ou um coach de saúde pode implementar e administrar o programa – é um item valioso e irá assegurar que todos os aspectos do programa serão geridos de forma eficaz.

2. Falta de interesse. Para que qualquer programa para ter um impacto duradouro, é importante que os funcionários estejam motivados na melhoria da sua saúde. A participação dos trabalhadores pode ser realizada através da comunicação e educação. Quando as pessoas compreendem como o programa pode beneficiá-los, e envolvê-los , como parte do programa, então eles terão maior interesse em participar. É particularmente importante para identificar e engajar os funcionários de alto risco – aqueles que fumam, os obesos ou têm outros fatores de risco identificáveis. Os funcionários de alto risco irão custar a sua empresa 3-5 vezes mais do que a média dos trabalhadores, por isso é benéfico engajá-los num estilo de vida saudável.

3. Falta de um Envolvimento Global. Os funcionários serão muito mais propensos a participar do programa de prevenção se vêem o alto escalão participando ativamente dos mesmos programas e desafios saudáveis. Isso pode ser feito por conseguir o apoio de sua equipe de alta gerência, desde o início, identificando claramente o seu papel na promoção do programa.

4. A Falta de Planejamento. Talvez a sua empresa começou o programa de uma maneira estrondosa, mas com o passar do tempo o “barulho” foi diminuindo rapidamente e os funcionários deixaram de participar. Mudar comportamentos não acontece de um dia para o outro, o reforço dos conceitos e ações, a motivação permanente é necessária, isso inclui eventos de lazer, variar metodogias e dinâmicas de trabalhos, etc… Um plano de incentivo pode desempenhar um papel significativo no  nível de participação e de sucesso que você irá conseguir.

5. Informações em Excesso. A maioria das pessoas já ouviram o suficiente que fumar é prejudicial, os vegetais são bons, e que eles devem fazer mais exercício. Ter um site ou link de newsletter com essa informação pode ser útil, mas a realidade é que muitas pessoas não vão ter tempo para ler. É importante ter opções para as pessoas falarem com especialista sobre a implementação de mudanças em suas próprias vidas. O Coaching de Saúde dará condições às pessoas de exporem seus problemas de maneira individual e personalizada à sua situação específica.

Um programa de prevenção bem-sucedido exige um financiamento adequado e de recursos, de pessoal para ajudar a planejar e gerencia-lo, o apoio de lideranças empresariais e especialistas em medicina do trabalho, bem como a avaliação periódica para ter certeza que é continuar a atender seus objetivos específicos. Essas dicas são eficazes para as empresas, considerando bem-estar corporativo .

Marlus M. Marconcin – Coach de Saúde
All rights reserved ©

Anúncios




Planos de Saúde – o que fazer antes de contratar um

18 04 2011

Existem uma série de detalhes a serem considerados quando está se escolhendo um plano ou seguro de saúde, quer seja um oferecido pelo seu empregador ou se você está comprando individualmente.

A seguir daremos algumas dicas importantes a serem observadas. Defina as suas necessidades: O que você quer de um plano de saúde? Que tipo de atendimento você necessita? Qual a cobertura? Procure a companhia de Seguro ou empresa de plano de saúde somente após você definir o que você quer. Os discursos de venda são tentadores e muitas vezes enganosos. O vendedor sempre vai te oferecer o melhor, não importa se é verdade ou não.

Considere o seguinte:

  1. O seu médico de confiança é credenciado? Alguns planos de saúde oferecem o atendimento de médicos somente de sua rede própria, outros planos são mais flexíveis. Se você já tem um médico, e está comprando o seu próprio seguro, verifique se o seu médico de confiança é credenciado. Se você tiver de escolher um novo médico, verifique as credenciais dos médicos do novo plano de saúde, entre em contato com a Associação Médica ou o Conselho Regional de Medicina.
  2. Quanto o médico que vai lhe atender receberá pela consulta? Verifique e faça os calculos se esse valor o profissional terá condições de manter seu consultório, manter sua atualização profissional, é um valor que ele poderá atendê-lo num tempo suficiente para pagar os custos do atendimento? Esse quesito é muito importante, a grande maioria dos planos de saúde que tem um valor baixo para o usuários pagam mau e com atraso seus médicos credenciados. Lembre-se que o médico também é cliente do plano de saúde como você, quando o plano lesa o médico também está lesando você pois o valor que você paga mensalmente é para pagar aqueles que te atendem.
  3. Qual é a localização dos consultórios, hospitais, laboratórios e outros serviços? Estes são fatores importantíssimos  a se considerar. É de fácil acesso, tem estacionamento, quanto tempo você irá gastar para chegar até lá?
  4. Quais são as especialidades disponíveis? Todos os planos de saúde são obrigados a reembolsar o valor da consulta para todas as especialidades credenciadadas no Conselho Regional de Medicina. Verifique qual o valor reembolsável. Qual a disponibilidade de horário para o plano dos especialistas credenciados. Alguns planos exigem que você procure um médico generalista antes de encaminhar ao especialista, enquanto outros permitem que você faça consultas especializadas diretamente. O que é mais adequado para você?
  5. Lembre-se de verificar a legislação de “doenças pré-existentes” – Na hora da venda do plano a promessa é de cobertura total, estude o contrato e veja se está de acordo com a legislação. Faça uma pesquisa para ter certeza que você sabe o que seu seguro ou plano de saúde cobre.
  6. Quais são os exames disponíveis, o plano cobre exames regulares de rotina? Parece uma coisa óbvia, mas se você necessitar de um controle periódico de alguma patologia você deve se assegurar que este controle com todos os exames necessários para a sua segurança são cobertos. Alguns planos de saúde cobrem estes tipos de procedimentos, porém colocam um limite anual. Se você tem filhos, lembre-se de perguntar se existe programas de prevenção da saúde da criança, que exames especiais e vacinas são cobertas.
  7. Quais são os serviços adicionais? Verifique tudo, desde a cobertura de medicamentos e cuidados de saúde mental, isso é uma consideração importante. Considere quais serviços adicionais que você pode precisar e se são, na verdade, cobertos pelo planos que você está comprando. Outros exemplos desses serviços adicionais que podem ser importantes para você são de aconselhamento e tratamento de drogas e álcool, atendimento domiciliar, ou cuidados prolongados, nutrição, psicologia, hospitais psiquiátricos,  medicina complementar, quiropraxia e fisioterapia.
  8. Se você estiver viajando e necessitar de um atendimento, você terá direito a reembolso? É importante você saber mais sobre esta política de reembolso para os atendimentos “fora da rede” credenciada. Finalmente, há co-pagamento, montantes máximos e limites globais de cuidados que você precisa saber? Obtenha todos os dados.

São apenas alguns ítens que julgamos importantes. Existem outros que em outra ocasião podemos apresentar. O importante é você se colocar numa situação de escolha e não de “presa fácil” na mão de vendedores.

É uma coisa difícil olhar para a sua saúde de uma forma fria e calculista, mas é a realidade desta vida.

À medida que envelhecemos, utilizamos muito de nossa energia para pensar e planejar coisas a respeito de doença, morte e invalidez, mas ninguém precisa ser mórbido ou depressivo.

Faça o seu melhor para obter um plano de saúde que cubra as suas necessidades particulares, e lembre-se que você vale a pena. Aquela regra aurea vale, e muito, também para a saúde, “O barato sai caro”.

Marlus M. Marconcin – Coach de Saúde
All rights reserved ©





Sedentarismo – como reverter esse quadro!

11 04 2011

Todos sabemos da importância do exercício físico em nossa vida. O exercício não é uma opção e sim uma necessidade fisiológica. Nosso corpo foi feito para movimentar-se. No passado a sobrevivência estava ligada a atividade física, caçar, cuidar da terra, etc.

A vida moderna nos proporciona uma vida de “conforto” porém estática. Muitas vezes parece difícil encontrar tempo na agenda para o exercício. O importante é começar, e começar de uma maneira simples. Com o passar do tempo a motivação virá. Então eis aqui alguns truques que qualquer um pode introduzir nos seus hábitos diários tornando possível esse primeiro passo.

  • Estacionar o carro

Naturalmente estacionamos nosso carro o mais próximo possível de nosso trabalho. Vem vez disso estacione uma quadra mais longe.

  • Use escadas em vez de elevador

Se você tem que subir 1 ou dois pisos, use a escada. Se o andar for mais elevado, desca 2 andares abaixo.

  • Pausa no Trabalho

Se for possível aproveite a pausa no seu trabalho para caminhar pela vizinhança. Converse com as pessoas, conheça as imediações.

  • Brinque com seus filhos

Este benefício é para todos. Vá até um parque jogar bola, andar de bicicleta, divirta-se com elas. Ambos será beneciciados, você poderá criar o hábito neles e afastá-los das brincadeiras sedentárias de video games.

  • Escolha atividades de lazer ativas

Em vez de ir ao cinema cinemas com os amigos vá jogar Tenis, futebol ou boliche.

Embora nenhuma dessas atividades vai fazer uma diferença imediata no seu estilo de vida, durante um período de tempo que você irá obter o hábito de escolher uma alternativa ativa para as coisas que você faz todos os dias. A longo prazo, isto pode definir um cenário para um estilo de vida mais ativo e poderia ser bastante benéfico para evitar alguns problemas de saúde comuns. Experimente!





Dietas – porque elas não funcionam!!!

5 04 2011

Todo início de ano, a mesma coisa, uma enxurrada de livros de dietas milagrosas.

Todos prometem revelar o segredo para perder peso com sucesso e de maneira definitiva.

Tem dieta para todos os gostos, os nomes é que são fantásticos “Dieta do Bom Humor”, porque deve ter a do Mau Humor, do Abdomen (para concorrer com a do tórax), Dieta Nota 10 (que nota poderiamos das às outras?), das calorias inteligentes (deve ter das calorias pouco inteligentes), nem Jesus e os discípulos escaparam.

Infelizmente, elas dietas contém erros e promovem deficiências nutricionais importantes.

A maioria dos gurus de dietas se atém a alimentação como se isso fosse a única causa de obesidade. Eles até comentam algo a respeito de exercícios. Infelizmente a vida do ser humano não se resume a comida e atividade física.

A maneira de pensar a respeito de emagrecimento tem evoluido.

Com a emergente metodologia de coaching não se fala no que comer e como se exercitar, ensina-se a pessoa a pensar e se auto-motivar para um estilo de vida adequado a ela.

Motivação, esse é o ponto. Sem motivação adequada, as dietas fracassam. A informação a respeito do que se fazer são amplas e extremamente assecível a todos. A deficiência está na motivação de buscar a saúde.

A obesidade é um problema complexo que envolve neuroquímica, nutrientes, hormônios, DNA, enzimas e, talvez, o mais importante, pensamentos, sentimentos e motivações.

E os pensamentos, sentimentos e motivações exigem uma solução interna:

  1. Assumir a responsabilidade pela a nossa própria saúde
  2. Desenvolver um desejo ardente para melhorar constantemente o estado da nossa própria saúde.
  3. Auxiliar os outros a fazerem uma transformação semelhante.

Mude a sua maneira de pensar que irá mudar a sua maneira de viver.